Pular para o conteúdo principal

Seguimos fortes

Os primeiros seis meses fiz como toda mãe deveria fazer, ela amamentou somente com o leite materno só no 7º mês que comecei a introduzir outro tipo de alimentação, os médicos me disseram que isto foi ótimo para a recuperação rápida dela.
E nos próximos 12 meses de vida de minha linda, correu tudo dentro do esperado, ela infelizmente sofrendo com a bolsa de colostomia, mas sempre sorridente, alegre, mas chegou o dia de fazer a 2º cirurgia, está agora seria para fazer a perfuração do ânus, ela internou no Hospital das Clínicas.
A cirurgia correu tudo bem, ela continuou com a bolsa de colostomia, porém a recuperação foi muito dolorida, ficamos no hospital uns dez dies e o pior de tudo foi que além da assadura por causa da bolsa usada no estoma (orifício feito na região abdominal "barriga"), ela ainda ficou muito assada no bumbum, porque começaria uma nova adaptação para ela poder fazer suas necessidades pelo lugar certo, sendo também incontinente nesta área, então juntou as piores dores que se pode ter, assaduras que chegavam a sangrar muito, mesmo com todos os cuidados, dessa maneira tive que cortar alguns alimentos , eu comecei a dar a ela comidas leves, comidas que não soltasse o intestino, para ela não ter mais assaduras, foram seis meses. Ainda com a bolsa de colostomia foi marcadA a 3º cirurgia sendo esta para a retirada da bolsa de colostomia, enfim iria fechar o estoma. Em esta confesso que senti medo, pois logo após a cirurgia ela teve que fazer transfusão de sangue, porque tinha perdido muito sangue, ficou muito debilitada, mas não demorou muito e Deus foi mais uma vez minha fortaleza e eu percebi que não poderia de maneira alguma ter pensamentos negativos, pois o pior já tinha passado, e eu tinha conseguido seguir em frente.
Foram mais duas semanas no Hospital Semper e com a graça de Deus voltamos para casa. As assaduras continuaram, foram gastos muitas pomadas de diferentes marcas, mas com muito custo consegui amenizar um pouco as dores, com a alimentação e cuidados.
Os anos seguintes, foram normais na medida do possível, pois a fralda continuou, o problema não estava resolvido mas não poderia fazer mais nada, só quando ela completasse seis anos.

E assim foi uma infância normal na medida do possível, ela é muito falante, quando começou a falar não parou mais (rsrsrsrsr). 
E trouxe e traz muita alegria a todos que a conhece e mesmo os fãs que nunca a viram mas conhece nossa luta. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Informação adicional relacionada a Extrofia de Cloaca

Partes: 1 e 2 Tabela 1. Classificação das anomalias anorretais


Sexo Malformação Necessidade colostomia Masculino Fístula cutânea (fístula perineal) Não Fístula Rectourethral Bulbar Sim Protético Sim Fístula Rectovesical Sim Agenesia anorretal sem fístula Sim Atresia rectal Sim Feminino Fístula cutânea (perineal) Não Fístula vestibular Talvez Agenesia anorretal sem fístula Talvez Altresia rectal Talvez

Extrofia de cloaca, você sabe o quê?

Um caso ainda mais grave e raro que a gastrosquise ou a onfalocele é chamado de extrofia de cloaca.
Defeito congênito que consiste de uma má formação da bexiga e uretra, na qual a bexiga fica exposta para fora do abdome.

As porções logo abaixo da bexiga chamadas de colo vesical e esfíncter uretral externo são os responsáveis pela continência urinária, já que eles permanecem fechados quando a bexiga se enche de urina. 

O que é Rim em Ferradura?

O que é esta doença?
Rim ferradura é a anomalia congênita, consistindo de polos superiores ou inferiores fraturados ambos os rins entre si, com a formação do istmo.
Esta malformação caracteriza-se pela fusão de ambos os rins, ligados entre si por uma ponte de tecido renal que une os seus pólos superiores ou inferiores e que passa à frente da aorta e da veia cava.